ESTEPE TEMPORÁRIO PODE SER PROIBIDO POR PROJETO DE LEI

estepe temporário está cada vez mais presente em carros em todo o mundo, mas ele pode deixar de existir no Brasil. Isso por conta do projeto de lei do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), que pretende tornar obrigatória a inclusão de estepe nos veículos com o mesmo tamanho dos outros quatro pneus.

Se o projeto virar lei, todos os veículos comercializados no país, incluindo os modelos importados, terão que se enquadrar na nova regulamentação. Caso alguma fabricante descumpra a lei, terá que indenizar o proprietário em 30 dias com 10% do valor do veículo.

Mais fino do que pneus convencionais, o estepe temporário pode ser usado em velocidades de até 80 km/h. Com uso desse pneu, as fabricantes aumentam o espaço no porta-malas, além de reduzir o peso do carro. O estepe temporário ainda facilita seu manuseio, já que seu peso é consideravelmente menor do que o pneu padrão. Mas como seu nome já sugere, ele serve para que o veículo possa chegar até o destino dos ocupantes, ou até o local para o reparo.

Porém, de acordo com o deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE), “os estepes temporários pode trazer riscos elevados para os condutores e passageiros desses veículos. Além do mais, o tráfego, em caso de emergência, com três pneus iguais e um diferente, certamente poderá causar prejuízos à suspensão e ao alinhamento veicular, colocando em risco a vida de seus usuários.”

No documento do projeto de lei, nota-se que a justificativa não traz nenhum embasamento técnico para fundamentar os possíveis prejuízos que o estepe temporário pode causar ao veículo.

O projeto de lei já foi aprovado pela comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados. Agora, faltam outras três: as comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviço, de Viação e Transportes, e de Constituição e Justiça e da Cidadania.

Caso passe por todas as fases da Câmara, o projeto segue adiante para o Senado. Se for aprovado, será encaminhado para a Presidência da República.





Fonte: Auto+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *